11 de fevereiro de 2015

O REI NA CHEFIA DO ESTADO

O REI GARANTE AO SEU POVO A JUSTIÇA, A COESÃO E ESTABILIDADE NACIONAL

Os Presidentes da Republica escolhidos pelos partidos são fonte de permanentes conflitos.
Os candidatos aparentemente independentes, são rejeitados por uma parte da oligarquia partidária e ignorados por quase 50% dos portugueses.


JANTAR REAL | Ribatejo

QUINTA DO CASAL BRANCO
ALMEIRIM 2015
No passado dia 23 realizou-se o Jantar Real _ Ribatejo, com a Presença da Família Real Portuguesa, na Quinta do Casal Branco em Almeirim. 
A Real do Ribatejo a mais antiga associação pertencente à Causa Real, homenageou três associados: Eng. Alberto Arthur d`Ornelas de Vasconcellos Jardim, Sócio Benemérito; D. João Vicente Saldanha de Oliveira e Sousa, Marquês de Rio Maior, Sócio Honorário; Senhor Francisco José Pereira Ramalho, Sócio Honorário 
Participaram no Evento personalidades nacionais e estrangeiras ligadas a diversas áreas de actividades económicas e sociais. 
Os participantes foram acolhidos com muita simpatia pela Família anfitriã Lobo de Vasconcelos. 
Na capela foi celebrada a Eucaristia pelo Rev. Padre Manuel Borges, de sufrágio por alma dos Associados falecidos. 
Na loja de vinhos foi servido um cocktail que permitiu convívio informal entre os presentes. Seguiu-se a visita à adega durante a qual os Enólogos do Casal Branco, fizeram uma explicação detalhada de todo o processo de produção vinícola que respeita as normas nacionais e internacionais de controlo de qualidade. 
O Sr. Dr. José Lobo de Vasconcelos teve a gentileza de referir aspectos económicos da actividade, sendo surpreendente que 95% da produção se destina a exportação. 
Foi servido um requintado jantar e degustado o delicioso néctar do Casal Branco, de salientar o elevado nível de eficácia e educação dos profissionais de hotelaria e da cozinha em serviço. 
A Pastelaria Bijou ofereceu um magnifico bolo rei. muito apreciado por todos e elogiado por Senhor Dom Duarte. 
Agradecemos todas as manifestações de simpatia que nos têm chegado.








3 de fevereiro de 2015

PORQUE ASSASSINARAM DOM CARLOS

O acordo de dois partidos, revezando-se sucessivamente no poder, dizendo-se um liberal e outro conservador, segundo o regime inglês, falhara inteiramente na sua reiterada aplicação prática...

O jogo permanente dessa rotatividade representativa, com vinte anos de funcionamento automático, desgastara todas as engrenagens...

Esse facto era a composição da sociedade, lentamente, surdamente, progressivamente contaminada pela mansa e sinuosa corrupção política.

Quantos sintomas inquietantes! A indisciplina geral, o progressivo rebaixamento dos caracteres, a desqualificação do mérito, o descomedimento das ambições, o espírito de insubordinação, a decadência mental da imprensa, a pusilanimidade da opinião, o rareamento dos homens modelares, o abastardamento das letras, a anarquia da arte, o desgosto do trabalho, a irreligião, e, finalmente, a pavorosa inconsciência do povo.


Dom Carlos foi assassinado por ter cumprido o arriscado mas patriótico dever de não demitir João Franco.


...o rei D. Carlos julgou servir a sua pátria, porque de outros precedentes serviços a pátria lhe deve reconhecimento e gratidão.


...Foi ele que, em sucessivas viagens a nações estrangeiras, pela variedade dos seus conhecimentos e das suas ideias gerais, pela facilidade em falar as línguas, pelo envolvente encanto do seu trato, pela sua bondade ilimitada, e pela despresumida e primorosa elegância das suas maneiras, em contacto não só com chefes de Estado, com soberanos e com príncipes, mas com sábios e artistas, estabeleceu entre o espírito português e o espírito europeu um conhecimento recíproco, uma afectuosidade carinhosa, uma entente cordiale, enfim, que nunca outrora se deu. Neste ponto de vista, a sua projectada viagem ao Brasil seria o mais belo coroamento da sua obra de internacionalidade, de simpatia e de paz. Nenhuma dúvida de que o seu exemplo seria seguido por outros chefes de Estado...


...É inteiramente incontestável que a nossa política externa, na qual a sua influência pessoal actuou mais directa e desafogadamente do que na política interna, foi durante o seu reinado habilidosamente conduzida, fazendo subida honra à diplomacia portuguesa em todas as chancelarias da Europa e da América.

ACTO DE TERRORISMO: DUPLO CRIME!

"INFAMES, INFAMES!"

De pé, a Rainha Dona Amélia, “armada” com um ramo de flores e dilacerada pela dor, grita para os covardes assassinos do seu marido e do seu filho - "infames, infames!"....

REGICÍDIO

O Regicídio de 1 de Fevereiro de 1908, ocorrido no Terreiro do Paço, marcou a História de Portugal, uma vez que dele resultou a morte do Chefe do Estado o Rei Dom Carlos e do seu filho e herdeiro, o Príncipe Real Dom Luíz Filipe,dando fim à última tentativa séria de reforma democrática da Monarquia Constitucional, dando origem a uma nova escalada de violência e instabilidade na vida pública do País, comandada a partir de Lisboa.
O atentado foi uma consequência da crescente tensão provocada pelos partidos políticos no clima político português.
Dois factores foram decisivos: primeiro, o caminho traçado desde cedo pelo Partido Republicano Português actuando para a corrosão do sistema partidário vigente e em segundo lugar, a tentativa de colocar o rei Dom Carlos como árbitro do sistema político, afim de equilibrar as finanças públicas degradadas por governos alternados dos maiores partidos na época e restabelecer a estabilidade governativa, no papel que ao Rei era atribuído pela Constituição, de solucionar os problemas do regime. Apoiando o Partido Regenerador Liberal de João Franco. (com objectivo de controlar as finanças e ordem pública formou-se um governo de forma ditatorial, com vigência por um período de dois anos, após o qual se regressaria eleições livres, onde as mulheres também votavam, o que deixou de acontecer na 1.ª republica, por serem católicas e por isso ligadas aos valores da monarquia).

NOTA: a seguir...
... em 1926 a desordem republicana era enorme. Instalaram uma ditadura fascista que durou 40 anos, para que o Dr Salazar pudesse colocar as finanças em ordem e impor disciplina no Pais proibindo os partidários.
... em 1974 a republica voltou a instalar um sistema democrático de cinco principais partidos, solução que sem uma Chefia de Estado realmente a partidária, conduziu o regime ao mais alto nível de corrupção europeia... para tentar evitar os efeitos da bancarrota tiveram de chamar uma "troika estrangeira"